Massa de salários em circulação na economia cresce R$ 24 bilhões em 1 ano, aponta IBGE

Acompanhe Ao vivo Baixe o Aplicativo click na Imagem

Acompanhe Ao vivo Baixe o Aplicativo click na Imagem

A massa de salários em circulação na economia aumentou em R$ 24,045 bilhões no período de um ano, para R$ 266,731 bilhões, uma alta de 9,9% no trimestre encerrado em setembro de 2022 ante o trimestre terminado em setembro de 2021. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação com o trimestre terminado em junho, a massa de renda real subiu 4,8% no trimestre terminado em setembro, com R$ 12,194 bilhões a mais.

Anúncios

O rendimento médio dos trabalhadores ocupados teve uma elevação real de 3,7% na comparação com o trimestre até junho, R$ 97 a mais, para R$ 2.737.

Anúncios

Em relação ao trimestre encerrado em setembro do ano passado, a renda média real de todos os trabalhadores ocupados subiu 2,5%, R$ 67 a mais.

Segundo o IBGE, o crescimento do rendimento médio real está relacionado à deflação registrada nos últimos meses, que proporciona ganhos reais.

Segundo Adriana Beringuy, coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, o rendimento nominal já vinha crescendo em 2022, enquanto o real registrava queda. Quando houve retração da inflação, houve crescimento no rendimento real.

“A reversão está bastante relacionada à trajetória da inflação. A gente já vinha registrando ganhos no rendimento nominal, mas não em termos reais”, lembrou Adriana Beringuy.

A renda nominal, ou seja, antes que seja descontada a inflação no período, cresceu 3,2% no trimestre terminado em setembro ante o trimestre encerrado em junho, R$ 85 a mais. Já na comparação com o trimestre terminado em setembro de 2021, houve elevação de 11,3% na renda média nominal, R$ 277 a mais.

O cenário de atividade econômica mais aquecida também ajuda, assim como uma composição mais favorável da ocupação no mercado de trabalho, com mais trabalhadores formais.

“Por eu ter na minha base de ocupados menos informalidade e mais formalidade, um aporte maior de carteira no setor privado e trabalhadores do setor público, que, de modo geral, têm rendimentos maiores, associado a uma retração da inflação, então o conjunto desses fatores contribui para esse aumento do rendimento”, explicou Adriana Beringuy.

A taxa de desemprego desceu a 8,7% no trimestre terminado em setembro, menor resultado desde o trimestre encerrado em julho de 2015, quando também estava em 8,7%.

Segundo Adriana Beringuy, o mercado de trabalho mantém a trajetória de recuperação no pós-pandemia.

Enquanto alguns setores iniciaram antes as contratações depois do choque inicial provocado pela crise sanitária, agora os destaques são os serviços não essenciais e a administração pública, que também recuperam as admissões pós-covid. “A expansão da ocupação em diversas atividades econômicas”, concluiu.

Acompanhe Nossa Pagina no Facebook

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*