Golfinho encalha no litoral Norte potiguar e é resgatado

Acompanhe Ao vivo Baixe o Aplicativo click na Imagem

Acompanhe Ao vivo Baixe o Aplicativo click na Imagem

Um golfinho encalhou no litoral Norte potiguar e foi resgatado neste domingo 4 com o auxílio do Projeto Cetáceos da Costa Branca da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (PCCB-UERN), que executa o projeto de monitoramento de praias da bacia potiguar (PMP-BP).

O animal se tratava de uma fêmea adulta da espécie golfinho-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus), medindo 2,79 m de comprimento total. O golfinho foi encontrado pela equipe do PCCB-UERN às 7h30 na faixa de areia da Praia da Fazenda, em Galinhos. A equipe de biólogos e veterinários do projeto avaliaram o indivíduo e o submeteram ao tratamento de suporte emergencial no local. Foi realizada biometria completa e coleta de materiais biológicos para realização de exames.

Anúncios

O animal apresentava um escore corporal bom (boas condições físicas), apesar de possuir marcas de mordidas de tubarão e algumas cicatrizes antigas, como uma bem característica na parte superior do seu rostro (ponta do “fucinho”). Estava muito ativo e responsivo, vocalizando bastante e com bons movimentos de propulsão de nadadeira caudal, além de reflexos motores bem preservados.

Anúncios

Após autorização da equipe veterinária, foi realizada às 14h a primeira tentativa de soltura com auxílio de uma embarcação. O animal apresentou boa desenvoltura de natação após soltura e nadou em direção ao mar profundo em todo o momento. A equipe conseguiu acompanhar 7 subidas do animal para respirar e depois o animal não foi mais visto. Após alguns minutos o animal retornou à praia.

Após nova estabilização foi feita uma segunda tentativa de soltura com uma embarcação maior em uma maior profundidade. A 2° tentativa foi bem sucedida, sem mais registros de novos encalhes. Durante a soltura foi possível avaliar o deslocamento do animal, o qual ocorreu de forma esperada. Foi realizado intenso monitoramento por terra, com quadriciclo, buggy e motos, contando com a ajuda de voluntários da região.

O PCCB-UERN ressalta que, “caso você se depare com um animal vivo como esse encalhado na praia, é muito importante manter o silêncio e evitar transitar no campo de visão do animal. Animais marinhos não são acostumados com pessoas e podem se estressar facilmente, acarretando uma piora no seu quadro ou mesmo causar a morte do indivíduo. Algumas ações que podem ajudar é fazer sombra no animal com sombrinhas, guarda-sol ou tendas; assim como cobrir o animal com panos úmidos mantendo seu corpo constantemente molhado. Mas atenção, ao fazer isso certifique-se de não cobrir os orifícios respiratórios dos animais, no caso dos golfinhos a respiração ocorre por meio de uma abertura no topo de sua cabeça”.

PMP

Estruturado e executado pela Petrobras para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal, conduzido pelo IBAMA, o PMP é o maior programa de monitoramento de praias do mundo. Atualmente, a Petrobras mantém quatro PMPs, que juntos, atuam em 10 estados litorâneos, acompanhando mais de três mil quilômetros de praias em regiões onde a companhia atua, trabalhando em parceria com diversas organizações científicas e comunidades locais. No Rio Grande do Norte, o trabalho é realizado em conjunto com o Projeto Cetáceos da Costa Branca da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – PCCB-UERN por meio da Fundação para o Desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do Rio Grande do Norte – FUNCITERN.

O monitoramento é fiscalizado pelo IBAMA e compreende o registro, resgate, necropsia, reabilitação e soltura de mamíferos, tartarugas e aves marinhas, contribuindo para a gestão de políticas públicas para a conservação da biodiversidade marinha.

A sociedade também pode participar, acionando imediatamente as equipes ao avistar um animal marinho vivo ou morto, pelos telefones:

Litoral Setentrional (Areia Branca e região): (84) 9 8843 4621

Litoral Oriental (Natal e região): (84) 9 9943 0058

Instagram: @pccbuern

Site: www.pccbuern.org

Acompanhe Nossa Pagina no Facebook

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*