Último debate presidencial é marcado por trocas de acusações e sequência de direito de resposta

Acompanhe Ao vivo Baixe o Aplicativo click na Imagem

Acompanhe Ao vivo Baixe o Aplicativo click na Imagem

O último debate antes do primeiro turno, promovido pela Rede Globo, foi recheado de faíscas entre os candidatos à Presidência da República. As trocas de acusações geraram uma série de pedidos de direito de resposta.

O recurso é concedido aos postulantes que se sentiram ofendidos por falas dos adversários. Já no primeiro bloco da sabatina realizada nessa quinta-feira (29/9), Jair Bolsonaro (PL) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tiveram uma sequência de embates em que os dois se acusaram de “mentirosos”. O atual mandatário chamou o petista de “ex-presidiário” e “traidor da pátria”. Lula revidou no mesmo tom, acusando Bolsonaro de propagar mentiras.

Anúncios

O ex-presidente também pediu direito de resposta quando o atual titular do Planalto o acusou de envolvimento na morte do ex-prefeito de Santo André (SP) Celso Daniel.

Anúncios

Outra dupla que protagonizou uma série de confrontos foi Soraya Thronicke (União Brasil) e Padre Kelmon (PTB). A candidata do União Brasil disse que o sacerdote é um “padre de festa junina” e “cabo eleitoral” de Bolsonaro.

Kelmon também teve um embate com o ex-presidente Lula, que o chamou de “impostor” e “safado”. “Eu sou cristão, sou casado na igreja, batizado, crismado e frequentador de igreja. Mas eu não estou vendo na sua cara um representante da igreja. Estou vendo um impostor. Alguém disfarçado aqui na minha frente. Só não sei como conseguiu enganar tanta gente”, disse o petista.

Acompanhe Nossa Pagina no Facebook

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*