Noticias

UPAs de BH têm lotação e pacientes deitados no chão à espera de atendimento

UPAs de BH têm lotação e pacientes deitados no chão à espera de atendimento

wrbnatal

dezembro 28th, 2021

0 Comments

Pacientes reclamam de demora no atendimento e falta de infraestrutura nas unidades. Segundo a prefeitura, demanda por atendimento aumentou muito nos últimos dias.

Superlotação e pacientes deitados no chão por horas à espera de assistência se tornaram comuns nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de Belo Horizonte nos últimos dias.

Apenas entre o final da tarde desta segunda-feira (27) e a madrugada desta terça-feira (28), foi feita reclamações referentes a seis das nove unidades com atendimento 24 horas da capital.

A babá Ronilda Teixeira de Oliveira, de 50 anos, foi à UPA Odilon Behrens com o marido, de 49, por volta das 2h da madrugada. Ele estava com falta de ar e dor no peito e só foi atendido seis horas mais tarde, em torno de 8h30.

Na UPA Nordeste, o auxiliar de cozinha Leonardo dos Santos, de 25 anos, precisou esperar cerca de 12 horas por uma consulta. Com dor na coluna, ele chegou à unidade por volta das 13h30 desta segunda-feira e só foi atendido na madrugada desta terça-feira. Tomou duas injeções e voltou para a casa ainda sentindo dores.

Disseram que a equipe estava completa. Mas quando fui lá, havia pessoas deitadas em todas as partes do estacionamento”, contou a mulher de Leonardo, que não quis ser identificada.

O mecânico Rodrigo Alexandre Silva, de 36 anos, passou praticamente toda a segunda-feira na UPA Barreiro. Após esperar por quase 14 horas, com tosse e dor nas costas, ele desistiu e foi embora sem atendimento.

“Fiquei deitado no chão, correndo o risco de pegar uma infecção, e acabei desistindo de esperar. Falaram que tinha dois médicos e mais de 150 pessoas para serem atendidas. É um descaso”, lamentou.

Nas UPAs Leste e Norte, pacientes também reclamaram de lotação e demora no atendimento. Na de Venda Nova, a estagiária Ana Carolina França, de 21 anos, disse que só havia um médico nesta segunda-feira para mais de 50 pacientes.

Com febre e dor no peito, o amigo dela desmaiou na unidade e só foi atendido após cinco horas de espera.

“Ele não estava conseguindo andar nem falar. Estava desacordado e deram para ele a pulseira verde, disseram que não tinha urgência. Eu reclamei e deram a amarela. Mesmo assim, ele ainda ficou mais três horas esperando atendimento”, contou.

O que diz a prefeitura

 

A Prefeitura de Belo Horizonte disse que vai ampliar o horário de funcionamento de nove centros de saúde da cidadeum em cada regional, para desafogar as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

Os postos vão funcionar das 7h às 22h. Atualmente, a maioria dos centros funciona só até as 19h, com alguns funcionando só até as 17h.

Mais cedo, a administração municipal havia dito que as UPAs têm apresentado um aumento na procura por atendimento, especialmente de pacientes com sintomas respiratórios e casos crônicos agudizados.

Todos os dias, conforme o Executivo, cerca de 2 mil pessoas são atendidas nas nove UPAs de Belo Horizonte.

“A grande questão é que cerca de 70% desses atendimentos poderiam ser realizados em um dos 152 centros de saúde, pois são casos leves. Pessoas com síndrome respiratória leve, como uma coriza ou tosse, podem procurar um centro de saúde, que são unidades altamente capacitadas para lidar com esse tipo de caso”, disse a prefeitura, que ressaltou que “todos os pacientes que procuram as UPAs são atendidos”.

A prefeitura afirmou, ainda, que “tem empreendido todos os esforços para recompor as equipes médicas, de forma a garantir um atendimento mais ágil à população”.

A Secretaria Municipal de Saúde mantém ativo um banco de currículos para contratação imediata de médicos. Os interessados devem acessar o site da Prefeitura de Belo Horizonte para realização do cadastro.

Atualmente, das 536 vagas em aberto na pasta, 158 são para a rede de urgência, que engloba as UPAs. “A expectativa é que, com o concurso sendo homologado em janeiro, os profissionais médicos sejam empossados com prioridade em fevereiro”, disse o Executivo.

Gripe avança

 

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, em 2020, foram realizados cerca de 273 mil atendimentos por doenças respiratórias nos centros de saúde. Neste ano, até domingo (26), foram 399 mil, um aumento de 46%.

Neste mês, 10.028 crianças e adolescentes de até 14 anos foram atendidos com doenças respiratórias nestes locais. O número é 173% maior do que o registrado em dezembro do ano passado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *