A QUINTA COLUNA DE CARLOS EDUARDO – POR RICARDO SOBRAL

Acompanhe Ao vivo Baixe o Aplicativo click na Imagem

Acompanhe Ao vivo Baixe o Aplicativo click na Imagem
a-quinta-coluna-de-carlos-eduardo-–-por-ricardo-sobral

A quinta coluna de Carlos Eduardo

Anúncios

Anúncios

* Por Ricardo Sobral, amansador de burro brabo, mestre em canjica e doutor em pirão de peixe

É voz corrente que a disputa eleitoral no Rio Grande do Norte era para senador. Para governador,  seria um passeio, como de fato foi. Um a um, com paciência de relojoeiro,  a governadora recandidata, a tempo e a modo, removeu todas as pedras do seu caminho.

Ouvi várias vezes Agnelo, o mais cerebral dos Alves, dizer na Rádio Cabugi que a vitória tem muitos pais, e que a derrota, ao contrário, é órfã. 

Este artigo, conciso como exigem as mídias sociais, já parte assertivamente com três premissas báscas: 1a. Carlos Eduardo não foi cristianizado, posto que Fátima cumpriu com ele do primeiro ao quinto como no jogo do bicho; 2a ele foi vítima do fenômeno da quintacolunagem; 3a. O candidato vitorioso, determinado a vencer, fez uma campanha aproveitando todos os erros do adversário, escondendo os próprios. 

A terceira candidatura, articulada sob medida,   jogada brilhante do ponto de vista da estratégia política, ameaçava  – é verdade -, mas,  ipso facto, não se revelou de início o bastante. Faltava algo: fato novo capaz de desequilibrar a disputa.

Surge então de mão beijada àquela ação judicial atabalhoada, infundada, inoportuna, coisa de macaco solto dentro de  loja de cristais. Verdadeiro suicídio político. Tal ação despertou a ira santa de mais de cem prefeitos contra a candidatura do ex-prefeito de Natal. Antevi  ali o insucesso eleitoral, que as urnas confirmaram. Padre Vieira, o expoente do barroco brasileiro, dizia que as palavras o vento leva, o importante são as ações. Costumo observar os efeitos que as ações humanas produzem para descobrir sua natureza e essência. Os prefeitos, unidos pela ameaça judicial comum a todos, tiveram nenhuma influência na eleição de governador e presidente, mas fizeram a diferença para a eleição de senador. É como vejo.

Acompanhe Nossa Pagina no Facebook

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*